Uma análise discursivo-imagética dos cartazes políticos na Nicarágua Sandinista (1979-1990)
Portada_ Cartazes políticos na Nicarágua Sandinista
PDF
EPUB
MOBI

Palabras clave

Nicarágua
revolução sandinista
cartazes políticos

Cómo citar

Miani, R. A. (2022). Uma análise discursivo-imagética dos cartazes políticos na Nicarágua Sandinista (1979-1990). Revista De La Asociación Española De Investigación De La Comunicación, 9(Especial), 43-67. https://doi.org/10.24137/raeic.9.e.3

Resumen

Em julho de 1979 a revolução popular na Nicarágua, conduzida pela Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), tornou-se vitoriosa. Os primeiros anos após a insurreição revolucionária foram marcados pela implantação de um amplo programa de transformações sociais, bem como por ações de resistência do povo nicaraguense contra as investidas dos contra-revolucionários. As lutas e experiências construídas ao longo da década de 1980, que marcou a construção de uma nova identidade e cultura cotidiana na Nicarágua sandinista, foram impulsionadas e registradas por meio de cartazes e pôsteres que apresentavam ou disseminavam valores e ideias para os novos tempos vindouros. Os documentos gráficos que ilustraram o despertar político-cultural do povo nicaraguense são reveladores dos desafios enfrentados e das conquistas obtidas na sua luta pelo direito de autodeterminação e pela condução de um processo de transformação revolucionária da sociedade. Nesse sentido, o presente artigo tem como objetivo realizar uma análise discursivo-imagética da produção de cartazes políticos na Nicarágua sandinista durante a década de 1980, verificando como uma formação discursivo-ideológica centrada na exaltação do nacionalismo se constituiu como força motriz para o avanço dos objetivos da revolução nicaraguense.

https://doi.org/10.24137/raeic.9.e.3
PDF
EPUB
MOBI

Citas

Aggio, A. (2021). Democracia e socialismo: a experiência chilena. 3.ed. Curitiba: Editora Appris.

Barnicoat, J. (1972). Los carteles: su historia y lenguaje. Barcelona: Editorial Gustavo Gili. (Colección Comunicación visual).

Barros, G. T. (2006). Comunicação na disputa pela hegemonia: contradições da imprensa sindical. Dissertação (Mestrado em Comunicação). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Bujard, O. (2009). Nicaragua: una década de transformaciones. Em O. Bujard e U. Wirper. (Eds.), La revolución es un libro y un hombre libre: los afiches políticos de Nicaragua Libre 1979-1990 y del Movimiento de Solidaridad Internacional (pp. 9-14). Manágua: IHNCA-UCA.

Bujard. O. e Wirper, U. (2009). La revolución es un libro y un hombre libre: los afiches políticos de Nicaragua Libre 1979-1990 y del Movimiento de Solidaridad Internacional. Manágua: IHNCA-UCA.

Cardenal, E. (2004). La revolución perdida. 2.ed. Manágua: Anama Ediciones Centroamericanas.

Cardenal, F. (1987). Objetivos da Cruzada Nacional de Alfabetização. En C. R. Brandão (Ed.), Lições da Nicarágua: a experiencia da esperança (pp. 47-61). 3.ed. Campinas, Papirus.

Cury, M. (2017). O protagonismo popular: experiências de classe e movimentos sociais na construção do socialismo chileno (1964-1973). Campinas: Editora Unicamp.

Escobar, J. B. (1984). Ideario sandinista. 3.ed. Manágua: Departamento de Propaganda y Educación Política del FSLN. (Colección Viva Sandino).

Fernandes, C. A. (2008). Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2.ed. São Carlos: Editora Claraluz.

Fonseca, C. (1984). Ideario político de Augusto César Sandino. 3.ed. Manágua: Departamento de Propaganda y Educación Política del FSLN. (Colección Viva Sandino).

Gámez, B. (2009). Conversación com Bayardo Gámez. Em O. Bujard y U. Wirper. La revolución es un libro y un hombre libre: los afiches políticos de Nicaragua Libre 1979-1990 y del Movimiento de Solidaridad Internacional (pp. 22-25). Manágua: IHNCA-UCA.

Godoi, C. K. e Uchôa, A. G. F. (2019). Metodologia de análise sociológica discursivo-imagética. Revista Organizações & Sociedade, 26(91), 776-794. https://doi.org/10.1590/1984-9260918

Instituto Cajamar (1988). 1917-1987: Socialismo em debate. Cajamar: Instituto Cajamar.

Joly, M. (2012). Introdução à análise da imagem. 14 ed. Campinas: Papirus Editora.

Lenin, V. I. (2015). Que fazer?: problemas candentes do nosso movimento. São Paulo: Expressão Popular.

Marx, K. y Engels, F. (1977). Textos. Volume 3. São Paulo: Edições Sociais.

Mauad, A. M. (2014). Como nascem as imagens. História: Questões & Debates, 61, 105-132. Disponível em http://revistas.ufpr.br/historia/article/view/39008/23769.

Moles, A. A. (1974). O cartaz. São Paulo: Perspectiva.

Moraes, D. (2010). Comunicação, hegemonia e contra-hegemonia: a contribuição teórica de Gramsci. Revista Debates, Porto Alegre, 4(1), 54-77.

Piva, M. C. e Piva, M. A. (1986). Nicarágua: um povo e sua história (1552-1984). São Paulo: Paulinas.

Selser, G. (1979). Sandino: general de homens livres. São Paulo: Global Editora. (Coleção Nossa América Latina, 1).

Samain, E. (2012). As imagens não são bolas de sinuca. Em E. Samain (Ed.), Como pensam as imagens (pp.21-36). Campinas: Editora da Unicamp.

Santos, N. (1990). E também lhes ensinem a ler: a Cruzada Nacional de Alfabetização da Nicarágua. Rio de Janeiro: Ayuri Editorial.

São Clemente, B. R. B. (2013). A estratégia sandinista para a agricultura nicaraguense (1979-90). Anais do V Simpósio Internacional Lutas Sociais na América Latina. Londrina, PR: Gepal. Disponível em http://www.uel.br/grupo-pesquisa/gepal/v12_bernardo_raphael1_GVI.pdf.

Soares, R. L. S. (2016). Cultura das imagens na contemporaneidade [Prefácio]. Em A. L. C. Moraes y C. N. P. Coelho (Ed.), Cultura da imagem e sociedade do espetáculo. São Paulo: UNI.

Soranso, A. M. (2021). Agitprop em cena: uma contribuição aos estudos da Comunicação Popular e Comunitária. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Centro de Educação, Comunicação e Artes, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

Stédile, J. P. e Baltodano, M. (Org.) (2008). Sandino. Vida e obra. São Paulo: Expressão Popular.

Via Campesina, C. C. C. J. (2007). Agitprop: agitação e propaganda no processo de transformação social. São Paulo: Maxprint Editora e Gráfica Ltda.

Winn, P. (2010). A revolução chilena. São Paulo: Editora Unesp. (Coleção Revoluções do Século XX).

Zimmermann, M. (2002). A revolução nicaragüense. São Paulo: Editora Unesp. (Coleção Revoluções do Século XX).

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.