Design gráfico de livro para infância como forma de comunicação: quatro fases da produção brasileira
Design gráfico de livro para infância como forma de comunicação: quatro fases da produção brasileira
PDF (PT)
EPUB (PT)
MOBI (PT)

Palabras clave

design
design gráfico
ilustração
livro para infância
comunicação
Brasil

Cómo citar

Cavalcante de Almeida, S., & Belluzzo de Campos, G. (2021). Design gráfico de livro para infância como forma de comunicação: quatro fases da produção brasileira. Revista De La Asociación Española De Investigación De La Comunicación, 8(15), 143-169. https://doi.org/10.24137/raeic.8.15.7

Resumen

This article proposes a brief panel of four phases of production of the graphic design in the Brazilian children's picturebook. It explores formal strategies, cultural transformations and technological changes that have expand the communication potential of books to a massive and urban audience in growing expansion. Starting from the study of the Argentine María del Valle Ledesma (2005) on the communication function of graphic design, the processes of visual conception of design and illustration are related to the broad reality of the media, to the senses of perception and types of audience of visual messages. The objectives achieved demonstrate the degrees of experimentation, contradiction and heterogeneity of this production.

https://doi.org/10.24137/raeic.8.15.7
PDF (PT)
EPUB (PT)
MOBI (PT)

Citas

Abreu, M. (2010). Duzentos anos: os primeiros livros brasileiros. Em A. Bragança e M. Abreu (Org.). Impresso no Brasil: dois séculos de livros brasileiros (pp.41-65). São Paulo: Editora da Unesp.

Andrade, J. M. F. de. (2004). História da fotorreportagem no Brasil: a fotografia na imprensa do Rio de Janeiro de 1839 a 1900. Rio de Janeiro: Elsevier.

Arroyo, L. (2011). Literatura infantil brasileira. São Paulo: Editora Unesp.

Azevedo, R. (1990). Maria Gomes. São Paulo: Scipione.

Barbosa, A. M. (2015). Redesenhando o desenho: educadores, política e história. São Paulo: Cortez.

Camargo, M. de (Org.). (2003). Gráfica: arte e indústria no Brasil – 180 anos de história. 2. ed. São Paulo: Bandeirantes Gráfica.

Campos, G. B. de. (2011). Novos enfoques para o design gráfico. Em G. B. de Campos e M. Ledesma (Org.), Novas fronteiras do design gráfico (pp.27-40). São Paulo: Estação das Letras e Cores.

Cardoso, R. (2005). O design brasileiro antes do design: aspectos da história gráfica, 1870-1960. São Paulo: Cosac Naify.

Cardoso, R. (2008). Uma introdução à história do design. São Paulo: Blucher.

Castanha, M. (2007). Agbalá – um lugar-continente. São Paulo: Cosac Naify.

Castro, Y. P. de. (2020). Das línguas africanas ao português brasileiro. Recuperado de http://www.labjor.unicamp.br/patrimonio/materia.php?id=214 . Campinas (SP).

Cunha, L. e Castanha, M. (1996). Joselito e seu esporte favorito. Belo Horizonte: Miguilim.

Dick, M. E. e Gonçalves, B. S. (2020). Fatores que influenciam o processo de design do livro digital: uma investigação por meio de análise categorial. Revista Design & tecnologia, 10(20), 106-118.

Giacomo, F. (2020). Breve história da literatura indígena contemporânea: pioneirismos. Recuperado de https://www.uol.com.br/ecoa/colunas/arte-fora-dos-centros/2020/07/23/breve-historia-da-literatura-indigena-contemporanea-pioneiros.htm

Gregorin Filho, J. N. (2009). Literatura infantil – múltiplas linguagens na formação de leitores. São Paulo: Melhoramentos.

Jansen, C. Robinson Crusoé. (1884). Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin da Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP (São Paulo). Recuperado de https://digital.bbm.usp.br/simple-search?query=robinson+cruso%C3%A9&search=Buscar.

Lago, A. (1984). Outra vez. Belo Horizonte: Miguilim.

Lajolo, M. e Zilberman, R. (2017). Literatura infantil brasileira – uma outra nova história. Curitiba: PUCPRESS.

Ledesma, M. del V. (2005). Diseño gráfico, un orden necesario? Em L. Arfuch, N. Chavez, e M. del V. Ledesma. Diseño y comunicación: teorías e enfoques críticos. Buenos Aires: Paidós.

Leite A. de C. e DORCA. (1951). O sapo Bonifácio. São Paulo: Edições Melhoramentos.

Lima, G. (2000). O design gráfico do livro infantil no Brasil na década de 70 - Ziraldo, Eliardo e Gian Calvi (Dissertação de Mestrado em Design). PUC-Rio, Rio de Janeiro.

Lobato, M. (1945). Diálogo entre D. Benta e Narizinho sobre a Biblioteca de D. Lenyra e outras bibliotecas infantis. Revista Literatura e Arte, n. especial dedicado ao 1º Congresso Juvenil de Escritores e da 1ª Exposição do Livro Infantil e Didático, São Paulo (SP), 28-31.

Machado, A. M. (1980). História meio ao contrário. São Paulo: Ática.

Machado, J. (1976). Ida e volta. Rio de Janeiro: Primor!

Machado, U. (2017). A capa do livro brasileiro 1820-1950. Cotia (SP): Ateliê Editorial; São Paulo: Sesi-SP Editora.

Melo, C. H. De e Ramos, E. (2011). Linha do tempo do design gráfico no Brasil. São Paulo: Cosac Naify.

Melot, M. (2012). Livro, Tradução: Marisa Midori Deaecto e Valéria Guimarães. Cotia (SP): Ateliê Editorial.

Mello, R. (1994). O próximo dinossauro. São Paulo: FTD.

Mello, R. (2005). João por um fio. São Paulo: Companhia das Letrinhas.

Mello, R. (2009). Carvoeirinhos. São Paulo: Companhia das Letrinhas.

Mendes, C. (2016). A descolonização das imagens: o livro ilustrado infantil no contexto brasileiro contemporâneo (Tese de Doutorado em Artes Visuais). UFRJ, Rio de Janeiro.

Pimentel, F. (1926). Histórias da Avozinha. Rio de Janeiro: Quaresma.

Rodrigues, A. D. (1993). Línguas indígenas: 500 anos de descobertas e perdas. Delta, 9(1), 83-103.

Queirós, B. C. de (1979). Onde tem bruxa tem fada. Belo Horizonte: Vega.

Rufino, J. (1986). Dudu Calunga. São Paulo: Ática.

Villas-Boas, A. (2007). O que é [e o que nunca foi] design gráfico. Rio de Janeiro: 2AB.

Zilberman, R. (2005). Como e por que ler a literatura infantil brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva.

Ziraldo. Flicts. (1969). Rio de Janeiro: Expressão e Cultura.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.