“A morte já não mata”: Epistemes comunicacionais, culto aos mártires nas CEBs e contradições sociais no Brasil
Portada: A morte ja nao mata
PDF (PT)
PDF (ES)
EPUB (PT)
EPUB (ES)
MOBI (PT)
MOBI (ES)

Palabras clave

Comunicação
epistemes
culto aos mártires
contradições sociais
CEBs no Brazil

Cómo citar

Lachowski, G. L., & Gushiken, Y. (2022). “A morte já não mata”: Epistemes comunicacionais, culto aos mártires nas CEBs e contradições sociais no Brasil. Revista De La Asociación Española De Investigación De La Comunicación, 9(Especial), 138-165. https://doi.org/10.24137/raeic.9.e.9

Resumen

Tratamos neste artigo das práticas sociais das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) no Brasil, mais especificamente quanto ao processo de atualização de enunciados como epistemes comunicacionais, com foco no culto aos mártires da caminhada. Objetivamos problematizar o potencial revolucionário desta prática cultural diante dos marcos epistêmicos da modernidade, que se assentam num modelo civilizatório europeu-estadunidense de ordem colonial e capitalista. O procedimento metodológico que utilizamos foi de caráter etnográfico, expresso pela compilação de incursões em campo entre 2016 e 2021, principalmente no estado de Mato Grosso (MT), Centro-Oeste do Brasil, viabilizado pela observação participante. Entre os resultados estão a compreensão de que o culto aos mártires da caminhada nas Comunidades Eclesiais de Base corresponde a um processo de dar-se consciência das contradições sociais na contemporaneidade. A conclusão aponta para a potencialidade descolonial deste culto na medida em que seus organizadores e participantes produzem um universo de significados na conjunção da religiosidade popular com uma prática sociorreligiosa cujo sagrado politiza a demanda pela construção de uma realidade crítica e alternativa ao projeto de mundo da modernidade. 

https://doi.org/10.24137/raeic.9.e.9
PDF (PT)
PDF (ES)
EPUB (PT)
EPUB (ES)
MOBI (PT)
MOBI (ES)

Citas

Beozzo, J. O. (2012). As CEBs e seus desafios hoje: um olhar sobre a conjuntura e a história. Em F. Orofino, S. R. Coutinho e S. S. Rodrigues (Ed.), CEBs e os desafios do mundo contemporâneo (pp. 11-30). São Paulo: Paulus.

Casaldáliga, P. (2006). Martírio do Pe. João Bosco Penido Burnier. São Paulo: Loyola.

Debord, G. (1997). A Sociedade do Espetáculo. (E. Santos Abreu, Trad.). Rio de Janeiro: Contraponto.

Domezi, M. C. (2006). A devoção nas CEBs: Entre o Catolicismo Tradicional Popular e a Teologia da Libertação. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP. Recuperado de https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/1986

Ferraro, B. (18 de fevereiro de 2018). A Articulação Continental das Comunidades Eclesiais de Base: O que é? CEBs do Brasil. Recuperado de http://cebsdobrasil.com.br/articulacao-continental-das-comunidades-eclesiais-de-base-o-que-e/

Foucault, M. (2008). A arqueologia do saber. (F. Baeta Neves, Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2013). De espaços outros. (A. C. Nasser, Trad.). Estudos Avançados, 27(79), 113-122. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/68705

Freyre, G. (2003). Casa-Grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. (48a. ed. rev.). São Paulo: Global.

García Canclini, N. (2011). Culturas híbridas: Estratégias para entrar e sair da modernidade. (A. R. Lessa e H. Pezza Cintrão, Trad.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Gohn, M. G. (2019). Participação e democracia no Brasil: da década de 1960 aos impactos do pós-junho de 2013. Petrópolis: Vozes.

Holland, T. (2014). Milênio: a construção da cristandade e o medo da chegada do ano 1000 na Europa. (A. Martins Morais, Trad.). Rio de Janeiro: Record.

Lachowski, G. L. e Carnahiba, A. P. R. (2021). Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) e “Bem Viver”: diálogo, cultura e atualização de utopia. Revista Comunicação, Cultura e Sociedade. 12(7), 143-163. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ccs/article/view/5218/4164

Lachowski, G. L. e Gushiken, Y. (2021). Comunicação e Cultura nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs): Um estudo de caso no Centro-Oeste do Brasil. Revista Cultura Y Religión, 15(1), 225-260. Recuperado de: https://www.revistaculturayreligion.cl/index.php/revistaculturayreligion/article/view/992

Lens, M. M. (1991). Festas religiosas, CEBs e mudanças. Em P. Sanchis. Catolicismo: Unidade Religiosa e Pluralismo Cultural. São Paulo: Loyola.

Löwy, M. (1991). Marxismo e Teologia da Libertação. São Paulo: Cortez.

Malinowski, B. (1978). Argonautas do Pacífico Ocidental: Um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. (A. Carr e L. Cardieri, Trad.). São Paulo: Abril Cultural.

Marcus, G. (1995). Ethnography in/of the World System: The Emergence of Multi-Sited Ethnography. Annual Review of Anthropology, 24, 95-117. Recuperado de https://www.annualreviews.org/doi/10.1146/annurev.an.24.100195.000523

Maués, R. H. (2010). Comunidades “no sentido social da evangelização”: CEBs, camponeses e quilombolas na Amazônia Oriental Brasileira. Religião & Sociedade, 30(2), 13-37.

Mignolo, W. (2003). Histórias locais/Projetos globais: Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. (S. Ribeiro de Oliveira, Trad.). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Mignolo, W. (2008). Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras - Dossiê: Literatura, língua e identidade, 34, 287-324. Recuperado de http://professor.ufop.br/sites/default/files/tatiana/files/desobediencia_epistemica_mignolo.pdf

Ortiz, R. (2003). Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 2003.

Pompa, C. (1987). Episcopato e Riforma agraria in Brasile. Latinoamerica, Roma, 22-23, 53-63.

Pompa, C. (2009). Memórias do fim do mundo: o movimento de Pau de Colher. Revista USP, (82), 68-87. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i82p68-87

Quijano, A. (1992). Colonialidad y modernidad/racionalidad. Em H. Bonilla (Ed.), Los conquistados. 1492 y la población indígena de las América (pp. 11-20). Quito: Tercer Mundo-Libri Mundi Editors.

Ribeiro, D. (1995). O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. (2a. ed.). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

Ribeiro, E. (1989). A morte já não mata. [Gravado por Verbo Filmes]. In Irmandade dos Mártires. [CD]. Ribeirão Cascalheira/MT: Irmandade dos Mártires. (2016).

Sanchis, P. (2006). Peregrinação e romaria: um lugar para o turismo religioso. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, 8(8), 85-97. https://doi.org/10.22456/1982-2650.2294

Souza, E. R. (2019). A luta se faz caminhando: sacralização de lideranças camponesas e indígenas assassinadas em contextos de conflito de terra no Brasil. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Teixeira, F. L. C. (1988). A Gênese das CEBs no Brasil: elementos explicativos. São Paulo: Paulinas.

Turner, V. (2008). Peregrinações como processos sociais. Em V. Turner, Dramas, Campos e Metáforas: Ação Simbólica na Sociedade Humana. Niterói, EdUFF.

Vieira, M. A.C. (2012). Território em movimento – comunidades camponesas da Amazônia oriental (Missão de Maria da Praia e Romaria do Padre Cícero). Revista Pós Ciências Sociais, 9(18), 63-77.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.