Vacinação: uma tematização que a imprensa privilegia
PDF
EPUB
MOBI

Palabras clave

vacinação
jornalismo da saúde
agenda-building
fontes de informação

Cómo citar

Gomes, S., & Lopes, F. (2019). Vacinação: uma tematização que a imprensa privilegia. Revista De La Asociación Española De Investigación De La Comunicación, 6(12), 269-288. https://doi.org/10.24137/raeic.6.12.13

Resumen

Os jornais generalistas portugueses interessam-se pouco pela prevenção da saúde, mas, quando falam disso, a prioridade centra-se na vacinação. Este é o tópico mais presente no noticiário da imprensa. Queremos aqui saber de que modo o assunto é agendado e quais as fontes mais privilegiadas para dele falarem. Para desenvolver este estudo, trabalhamos com uma amostra de 439 artigos que tiveram a prevenção como tema de noticiabilidade e que foram publicados entre 2012 e 2014 nos jornais Público, Jornal de Notícias, Diário de Notícias, Correio da Manhã, Expresso e Sol. Desses 439 artigos, foram selecionados 136 textos que centraram a sua tematização na vacinação. O estudo desenvolvido enquadra-se no projeto de doutoramento “Comunicação e Saúde: Jornalismo preventivo e fontes de informação” (SFRH/BD/89792/2012), financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, a decorrer no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, na Universidade do Minho.

https://doi.org/10.24137/raeic.6.12.13
PDF
EPUB
MOBI

Citas

Araújo, R. (2016). Dinâmicas de construção do noticiário de saúde: uma análise da imprensa generalista portuguesa (Tese de Doutoramento), Universidade do Minho, Braga. Disponível em https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/45761/1/Rita%20Alexandra%20Manso%20Araujo.pdf.

Araújo, R. e Lopes, F. (2014). Olhando o agenda-building nos textos de saúde: um estudo dos canais e fontes de informação. Em M. Martins e J. Veríssimo (Eds.), Comunicação Global, Cultura e Tecnologia – Livro de atas do 8º Congresso Sopcom (pp. 749-753). Lisboa: SOPCOM.

Berkowitz, D. (1987). TV News Sources and News Channels: A Study in Agenda-Building. Journalism & Mass Communication Quarterly, 64, 508-513.

Cohen, B. (1963). The press and foreign policy. Em B. Berelson e M. Janowitz (Eds.), Reader in Public Opinion and Communication. New York: The Free Press.

Corbett, J. e Mori, M. (1999). Medicine, media and celebrities: news coverage of the breast cancer, 1960-1995. Journal of Mass Communication Quarterly, 76(2), 229-249.

Decreto-lei nº 5786/2015, de 1 de Junho, Ministério da Saúde.

Friedman, D., Tanner, A. e Rose, I. (2014). Health journalists’ perceptions of their communities and implications for the delivery of health information in the news. Journal of community health, 39, 378-385.

Gomes, E. (2012). Jornalismo de Saúde: Prevenir ou Remediar? Análise dos textos de saúde dos jornais: Público, Jornal de Notícias e Expresso de 2011 (Dissertação de Mestrado), Universidade do Minho, Braga. Disponível em https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/20684/ 1/Emiliana%20Sofia%20Coelho%20Gomes.pdf.

Gutiérrez, I. e Jiménez, A. (2001). Documentación para el periodismo especializado. Revista General de Información y Documentación, 11, 33-60.

Hinnant, A. e Len-Ríos, M. (2009). Tacit understandings of health literacy: interview and survey research with health journalists. Science Communication, 31, 84-115. Disponível em http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1075547009335345.

Hodgetts, D., Chamberlain, K., Scammell, M., Karapu, R. e Nikora, L. (2008). Constructing Health News: Possibilities for a Civic-Oriented Journalism. Health, 12, 43-66. Disponível em http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1363459307083697.

Lippman, W. (1922). Public Opinion. New York: Harcourt Brace Jovanovitch.

Lopes, F. (2015). Jornalista. Profissão ameaçada. Lisboa: Alêtheia Editores.

Lopes, F., Ruão, T., Marinho, S. e Araújo, R. (2012). A saúde em notícia entre 2008 e 2010: retratos do que a imprensa portuguesa mostrou. Revista Comunicação e Sociedade, 129-170. Disponível em http://revistacomsoc.pt/index.php/comsoc/article/view/1361.

McCombs, M. e Reynolds, A. (2009). How the news shapes our civic agenda. Em M. Bryant (Ed.), Media effects: Advances in theory and research (pp. 1-16). New York: Routledge.

McCombs, M. e Shaw, D. (1972). The agenda setting function of mass media. Public Opinion Quarterly, 36, 176-187.

McQuail, D. (2003). Teoria da Comunicação de Massas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Muñoz- Torres, J. (1997). Aproximación al concepto de Información Periodística Especializada. Em F. Ramírez (Ed.), Estudios sobre información periodística especializada (pp. 25-41). Valencia: Fundación Universitaria San Pablo.

Noëlle-Neumann, E. (2000). Public Perception Theory: The Concept of Spiral of Silence. Selected by Chang Changfu. Science of Public Media: Influence Research Mode. Beijing: China Social Science Press.

Noëlle-Neumann, E. (1995). La espiral del silencio. Una teoría de la opinión pública. Em J. Ferry, M. Wolton e D. Ferry (Eds.), El nuevo espacio público. Barcelona: Gedisa Editorial.

Nisbet, M. (2008). Agenda Building. Em W. Donsbach (Ed.), International Encyclopedia of Communication. New York: Blackwell Publishing.

Silveira, P. e Marôpo, L. (2014). Jornalismo e Construção Social da Realidade: Um contributo para o debate teórico. Revista Comunicando, 3, 7-19. Disponível em http://www.revistacomunicando.sopcom.pt/ficheiros/20141219-0_2.pdf.

Sousa, J. (1999). As notícias e os seus efeitos. As "teorias do jornalismo e dos efeitos sociais dos media jornalísticos. Porto: Universidade Fernando Pessoa.

Valkenburg, P. e Walther, J. (2016). Media effects: theory and research. Annual Review of Psychology, 67, 315-338.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.